Foto ilustrativa

O umbuzeiro (Spondias Tuberosa Arruda) é originário do semiárido do Nordeste brasileiro, é uma árvore com aproximadamente 5m de altura e com uma copa que atinge até 15m de diâmetro. É muito resistente aos períodos de estiagem, em virtude de suas raízes funcionarem, como reservas de água. No período da safra é uma fonte de renda e de mão-de-obra para muitos agricultores.

O fruto do umbuzeiro é o umbu, fruto muito apreciado pelos animais e pelo homem que os consomem ao natural ou processado na forma de diversos produtos, como geleias, doces, licor, suco, entre outros. (SOUZA, 2001). O umbuzeiro é uma espécie frutífera de grande importância econômica e social, pois no período da entre safra o umbu é uma fonte de renda adicional para os agricultores. (FIGUEIRA, 1999).

A coleta do Umbu é uma atividade extrativista que apresenta um grande potencial, gerando trabalho e renda, que garanti a sustentabilidade de muitos agricultores. Por isso, é de suma importância que os agricultores tenham a consciência de preservar o meio ambiente, pois vai ser através do mesmo que eles vão tirar o seu sustento e das suas famílias. Infelizmente muitos agricultores fazem queimadas quando vão cultivar as terras, hábitos que estão enraizados culturalmente e que acabam prejudicando e enfraquecendo a terra.

 É importante evidenciar também, que os agricultores devem ser capacitados para produzir os derivados do umbu, proporcionando um desenvolvimento sustentável para o município e consequentemente, uma nova fonte de geração de emprego e renda para a população. Com isso muitas famílias terão a possibilidade de melhorar a qualidade de vida, conquistando assim uma sociedade mais igualitária.

Nesse sentido, faz-se necessário compreender a expressão Sustentabilidade. Segundo Pereira (2000), sustentabilidade é o desenvolvimento sustentável, ou seja, o desenvolvimento, econômico, social e ambiental, desde que este desenvolvimento promova o crescimento das populações mais não prejudique os sistemas ecológicos.

Neste sentido Silva, Pires e Silva (1987), diz que o umbu tem sido uma fonte de renda alternativa e importante para sustentabilidade dos sertanejos, visto que o umbu é uma fonte de renda e alimento e na safra absorve mão-de-obra para agricultura familiar. E nesta mesma linha Cavalcante (1997), diz que o desenvolvimento sustentável significa preservar o meio ambiente, para que aconteça o crescimento e desenvolvimento socioeconômico.

Dessa forma é importante que os agricultores tenham consciência da importância e utilidade do umbu como um meio de desenvolvimento sustentável de suas famílias. Mas vale ressaltar que o processo de conservação por congelamento ainda consiste em um sistema de difícil aplicação para a maioria dos pequenos agricultores, por isso é fundamental que os agricultores se organizem em cooperativa ou associação para aproveitar melhor o umbu e seus produtos derivados, pois esses produtos poderão ser comercializados durante o ano inteiro na merenda escolar de creches, escolas e outras instituições da comunidade. Possibilitando assim a melhoria da qualidade de vida dos agricultores.

Gervania da Silva Oliveira Ribeiro
Serva do Senhor !
Bióloga 92.131/05-D
Especialista em Gestão Ambiental e Desenvolvimento Sustentável
Referências
CAVALCANTI, C, 1997; Meio ambiente, desenvolvimento sustentável e políticas públicas, Cortez, São Paulo.
FIGUEIRA, I. Umbu, uma alternativa para a caatinga. IBGE. Anuário Estatístico do Brasil, Rio de Janeiro, v.53, p.41,1993.
PERREIRA, P.A.S. Sustentabilidade e Gestão – ciência, política e técnica, In: Rios, Redes e Regiões – a sustentabilidade a partir de um enfoque integrado dos recursos terrestres. Porto Alegre: AGE ed. 2000, 19-97p.
REVISTA SUSTENTABILIDADE. n.1. julho de 2004. 4 p. Disponível em: <http://www.bcsdportugal.org/files/119.pdf>. Acesso em: 10 de julho de 2010.
SILVA, C. M. M. S.; PIRES, I. E.; SILVA, H. D. Caracterização dos frutos do Umbuzeiro. Petrolina, EMBRAPA-CPATSA, Boletim de Pesquisa 1987, 17p.
SOUZA, A. H. de. & CATÃO, D. D. Umbu e seu suco, Ver. Brás. De Farm.: 335-53 nov./dez., 1987.
Compartilhar :

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor digite seu nome aqui