Sabemos que não é saudável, mas toda vez que nossos lábios sentem seu gosto, acabamos querendo mais. Então, o que acontece com o açúcar que nos faz desejá-lo, mesmo quando realmente não precisamos dele?

Quando ingerimos açúcar, os receptores de doçura em nossa língua, pâncreas e intestino sentem dois açúcares simples, glicose e frutose. Esses açúcares são encontrados naturalmente em frutas, em alguns vegetais, e no açúcar de mesa. Eles também são adicionados aos doces e uma grande quantidade de alimentos processados.

O corpo gosta de glicose porque nossas células dependem dela para a energia; quando ela entra no corpo, o pâncreas começa a produzir insulina. O cérebro entende que estamos metabolizando o que acabamos de comer, dizendo ao nosso corpo que temos menos fome. Ao contrário da glicose, a frutose só pode ser metabolizada pelo fígado porque o corpo não pode usar toda essa energia, o que significa que há mais calorias para armazenarmos.

A forma como a frutose se comunica com o cérebro pode ser enganadora. Sem as fibras das frutas e legumes, que interferem com a leptina – o hormônio responsável pela produção de uma sensação de saciedade-, pensamos que ainda estamos com fome e continuamos a comer, mesmo que já tenhamos consumido muitas calorias.

Quando os açúcares tocam os receptores de doçura na língua, acendem as vias de recompensa no cérebro e liberam neurotransmissores como a dopamina, e, obviamente, nos fazendo sentir realmente bem. É por isso que permanecemos em um ciclo vicioso com os doces, desde que eles nos fazem sentir tão bem que continuamos a comê-los.

Como conclusão: não podemos controlar quando o cérebro e corpo vão querer algo doce. No entanto, reduzindo a quantidade de açúcar pode ajudar a mediar o nosso relacionamento prejudicial com ele, evitando desejá-lo tanto.

 

Por: nutricionista Raianne Rios

Compartilhar :

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor digite seu nome aqui