Um desfile literário pela principal avenida da cidade deu início à programação da primeira edição da Feira Literária de Canudos (Flican), no fim da tarde desta quinta-feira (21). Alunos das escolas da cidade saíram em cortejo representando símbolos de Canudos e da cultura sertaneja, dando o tom do que estaria por vir. À noite, uma apresentação da Camerata dos Núcleos Estaduais de Orquestras Juvenis e Infantis da Bahia (Neojiba) abriu a grade do Espaço Edivaldo Boaventura. Com trompete, clarinete, viola e violoncelo, o grupo tocou sucessos como “Bolero de Ravel”, “Pavane de Gabriel Fauré”, “Tropicália”, “Anunciação” e “Canção da Partida”.

Após o show, autoridades locais e estaduais se juntaram a curadores de feiras literárias baianas no lançamento do manifesto pela Universidade Livre de Canudos, momento em que se comprometeram a continuar trabalhando pela realização de eventos que promovam a leitura em todo o estado. Na ocasião, o secretário de Educação da Bahia, Jerônimo Rodrigues, ressaltou a importância de se levar a cultura para perto da população e com o envolvimento da comunidade na execução. “O que vi aqui foi uma grande rede de solidariedade, com os moradores participando e opinando e idealizadores de feiras literárias se apoiando. É desse movimento que precisamos para fazer as coisas acontecerem. Parabéns a todos os envolvidos. Especialmente num momento em que o país corta verbas para a educação e a cultura, eventos como esses são símbolos de resistência”.

Em seguida, foi a vez da conferência do paulista Leopoldo Bernucci, estudioso da obra de Euclides da Cunha e professor da Universidade da Califórnia-Davis, nos Estados Unidos, que trouxe para o público as diversas faces de Antônio Conselheiro. A palestra chamou atenção pelas divergências de opiniões. Ele explicou como o líder de Belo Monte era visto por Euclides da Cunha; jornalistas brasileiros e estrangeiros; testemunhas locais; escritores de ficção; párocos do interior baiano, autoridades do Estado da Bahia e militares que participaram da Guerra de Canudos.

Bião de Canudos subiu ao palco logo depois, com sua música de raiz, no show “Canudos Terra Querida”, que emocionou os presentes. O maestro, violonista e violoncelista João Omar, o violonista Petrônio Joab e o solista Elton Becker também se apresentam no mesmo dia, com o concerto “D’Os Sertões & Outras Terras”, no Espaço José Calasans.

Fotos: Lula Afonso e Canal PEC
Fonte: Assessoria de Imprensa Flican/Vanesca Câmara

Compartilhar :

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor digite seu nome aqui

6 + 2 =